sexta-feira, 8 de maio de 2009

oink oink



Quero mostrar-vos uma coisa.

Reparem nos seguintes cabeçalhos de notícias de 2006:


Alguém ainda fala na gripe das aves? Alguém se lembra de ter visto no noticiário ou nos jornais alguma coisa relativa à gripe das aves?

Mas lembram-se do espalhafato nas notícias? Eu lembro-me de ter visto os cavaleiros do Apocalipse na televisão com galinhas e gansos nas mãos.

Laurie Garrett, analista de saúde global disse na altura: "O mundo não está preparado para uma pandemia da gripe".

Pois não está preparado porque não houve nenhuma.

Reparem na manipulação que vou fazer agora. E estou a usar dados estatísticos reais.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a taxa de mortalidade em pessoas com o vírus H5N1 foi de mais de 50% entre 2003-2005. Para compararem, na pandemia da gripe espanhola de 1918-19 a taxa de mortalidade foi de apenas 2,5 %.

Se eu fosse jornalista mandava-vos este cabeçalho para a cara e ia tudo comprar máscaras e vacinas e deixar de comer carne de pito.

O que por vezes os jornalistas não vos dizem é o equivalente ao que eu vou acrescentar agora ao que disse acima.

A tal taxa de mortalidade superior a 50% entre infectados com o H5N1 entre 2003-05 representa apenas cerca de 74 pessoas entre 142 infectadas. Enquanto que a taxa de mortalidade na pandemia espanhola representa a morte de cerca de 40 milhões de pessoas entre milhões de infectados. O que também não disse foi que os infectados com o H5N1 pertencem a países como Camboja, China, Indonésia, Tailândia e Vietname. Países na Ásia em que o cuidado médico e higiénico não é dos mais famosos. Lembrem-se que nestes países sub-desenvolvidos as pessoas dormem com as galinhas e comem carne crua se for preciso.

Agora vejam o caos e loucura que foi espalhado pelos noticiários sedentos por calamidades e pandemias. As notícias que coloquei acima referem-se ao ano de 2006 quando a gripe das aves estava a bombar.

Reparem que no Verão, quando o Parlamento e a "política" está de férias, quando não há jogos de futebol e quando os tribunais estão encerrados para férias inicia-se a chamada "silly season" (temporada "patética") em que os noticiários têm que ser preenchidos com coisas absolutamente ridiculas e redundantes. Lembram-se da Maddie? Lembram-se dos fogos florestais? Sempre a dar a mesma coisa...

Agora com esta calamidade chamada gripe suína espera-se já o pior. As estatísticas pelo que vejo hoje são do seguinte:

- 2.099 pessoas infectadas em 23 países
- 44 mortes sendo que 42 mortes são no México e apenas 2 no estado do Texas, EUA.

Quanto a esta aparente peste negra devo dizer duas coisas:

1. Das 44 mortes apenas duas se referem aos EUA e uma delas é de um bebé mexicano. Quanto ao México, também é sabido que os pobres cuidados de saúde, nutrição, higiéne e poluição ambiental ajudam a aumentar os números para "apenas"42 mortes.

2. Em 2.099 infectados apenas 44 morreram. Cerca de 2 por cento de mortalidade. Em relação a estes 44 mortos apenas quero dizer que morrem por ano cerca de 3,2 milhões de pessoas por ano devido a DIABETES. São (em média) 6 mortes por MINUTO.

No entanto não vejo os noticiários a darem enfâse a este facto. Na realidade, vejo anúncios ao MacDonalds e Burger Kings e refrigerantes...
Embora pelas notícias que vi em Portugal e vejo por aqui, a gripe suína é o que tá a matar a sério.

Sim. Comprem as máscaras e vacinas. Entretanto, não se esqueçam de emborcar trampa açucarenta para o bucho.


3 Comentarios:

Elisabete disse...

Muito Bom. Também já tinha lido sobre estas estatísticas fictícias que os jornalistas gostam de nos fazer chegar. Eles são os principais alarmistas!!É isto que temos...tudo por uma "noticia".

johnnie walker disse...

Uma desgraça sempre vende mais que uma boa notícia...

JB disse...

...é a manipulação estatística...coisa mais simples...

Mas para quem tem uma pequena noção de como se podem deturpar conclusões através de leituras erradas de dados estatísticos, percebe logo à partida como é fácil produzir lavagens cerebrais... e é o que o jornalismo actual produz nas moles humanas...já viram a TVI??

...pena é que estes tipos chamados jornalistas(generalizo) continuem a ter a sua irresponsabilidade social protegida sob a forma do 'direito de informar' e sob a forma de 'segredo profissional'...

...já vai sendo tempo de regulamentar os comentários que se produzem alegremente nas televisões, jornais e rádios, como sendo verdadeiros. Não esqueçamos que esses comentários podem produzir crises sociais, pela dimensão da sua abrangência.