quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

avatares inatos...



Já tive aqui oportunidade de referir que não dou muita importância ao futebol português.
Se me perguntarem agora quem é o líder do campeonato, apenas sei dizer Sp. Braga, Benfica e Porto.

Nada mais...

Mas fico triste quando vejo que o meu Sporting recebeu 4-1 na sua própria casa.
É nestas alturas que os adeptos devem dar o seu apoio. Em tempos de crise.

Mas a verdade é que não vim aqui para falar de uma derrota vergonhosa (mais uma), mas sim para discutir a essência de ser adepto de determinado clube. Quando me refiro ao Sporting como o meu clube, estarei a dizer isto porquê?

Porque é que eu sou do Sporting e não do Benfica ou Porto?
O que é que me liga a este clube ao ponto de o denominar como meu clube?
Qual é o interesse de tanta insistência em ver o clube ganhar? De onde vem o porquê da tristeza quando perde 4-1? Porque é que fico triste?

Será este clube alguma representação minha? Uma espécie de AVATAR social?

Não.
No meu caso não é.
Mas sei que noutras pessoas já o é.

É como que se o nosso corpo estivesse ligado a um corpo etéreo que une milhões de pessoas. Porque quando esse corpo sofre, nós também sofremos. E vice-versa.

A questão é: "Porque é que nos preocupamos?"

Porque é que temos que apoiar um clube?
Compreendo que vemos o futebol porque é algo que estimula os nossos sentidos, especialmente a parte motora. Mas porque é que temos que estar aos berros apoiar um clube em vez do outro?
Porque é que têm que morrer pessoas, destruírem-se amizades ou simplesmente ficar-se triste quando as coisas dão para o torto?

Os clubes de futebol são verdadeiros AVATARES sociais. Falamos deles como se fossem família. Trazemos mais imagens do nosso clube no carro e na carteira, do que dos nossos familiares mais queridos e próximos.

Creio que faz parte da natureza humana ter que se associar a um grupo maior. Porque as regras da evolução humana e social assim o determinam. Pertencer a um clã, a um grupo, traz protecção, ajuda à sobrevivência através da cooperação entre os diversos membros desse mesmo grupo, aumentando assim a probabilidade de poder reproduzir e ter descendentes.
De evoluir, portanto.

Esta tendência é absolutamente inconsciente e natural.
Se quiserem algo mais simples, lembrem-se que todos nós provimos de uma única célula. E à medida que crescemos (evoluímos), as várias células vão-se dividindo e tendo diversas tarefas diferentes para cumprir. Tudo com o objectivo comum de contribuir para o bom funcionamento do corpo humano (organismo multi-celular). As células hepáticas fazem uma coisa, os neurónios outra, enquanto que as células dos pulmões ajudam numa outra tarefa, tudo para um bem comum: Sobrevivência e Reprodução.

Apliquem o exemplo acima para a história natural da evolução dos organismos vivos (qualquer um) e vêm que o mesmo se passa. A cooperação foi um factor crucial para o sucesso evolutivo. Por isso é que esta tendência natural de nos agruparmos em grupo é uma espécie de consequência da nossa própria natureza.

As lutas que se vêem nos estádios de futebol são pequenas representações simbólicas de guerras entre países ou dentro deles que tinham (ou ainda têm) por base religião, raça e/ou etnia. Por de trás destes pretextos inteligentes está sempre a sede por poder dos mais manipuladores, mas para os mais débeis, é justo matar todos aqueles que são diferentes, todos aqueles que acreditam num deus diferente, todos aqueles que têm uma cor de pele diferente, ou todos aqueles que falam ou têm hábitos diferentes, ou pior ainda, por todos aqueles que apoiam um clube diferente.

No fundo, tudo se resume à inserção inata num grupo. Eu sou sportinguista porque o meu pai é sportinguista e porque o seu pai também o era. Nada mais. O porquê de ter sido baptizado sportinguista não me coube a mim mas sim a uma tendência cega e natural...

Ninguém nasce sportinguista ou católico, por exemplo. Nascemos no seio de um grupo que está inserido nessa família, nesse avatar. É claro que hoje em dia podemos mudar sempre de avatar. Mas imaginem há 700 anos atrás alguém dizer:

"Ai hoje não me estou a sentir católico. Vou mudar de religião depois de ir ali ao talho comprar umas asas de frango."

Houve quem fizesse isso, mas depois ficou arder na fogueira, juntamente com as suas asas de frango...

Creio que já me desviei um pouco do tema central. Embora não tenha mais "ganas" para escrever (porque a hora já vai alta) e ainda tenho mais 2 posts para meter, creio que o assunto dava pano para mais manga.

Fico-me por aqui lembrando a todos que ninguém nasce com características sociais inatas, apenas nascemos diferentes aos olhos daqueles que nos querem ver como diferentes...


Cordialmente,

Eu


2 Comentarios:

pikaxouriços disse...

Tanto paleio para te sentires profundamente chocado com tanta inércia que o nosso SPORTING, tem vindo a mostrar há alguns tempos a esta parte.
Para mim a solução passa necessáriamente por uma varredela que inclua desde o Presidente até ao roupeiro.
Ninguém é inocente neste caos em que o nosso clube, mergulhou.
Pura incompetência.Falta de garra e ambição. Correr com toda aquela brasileirada, é urgente. Quem deu 6 milhões pelo Pongole no meio da época em que tudo já estava quase perdido...não tem a noção da gestão de um clube e muito menos do custo do... dinheiro.
Dizia há dias um comentador desportivo, que daqui a seis ,sete anos o Sporting desaparece, como aconteceu com o Boavista, o Estrela etc.
Realmente a fazer as figuras a que nos vem habituando...será bem melhor que isso aconteça

johnnie walker disse...

Em relação ao sporting, não há nada a dizer. A não ser o que disse no post: "É nestas alturas que os adeptos devem dar o seu apoio. Em tempos de crise."

Em relação aos jogadores, treinador, presidentes e mais não sei quantos, apenas posso dizer que ninguém desses malandros vai passar fome.

Por isso cada um que se preocupe com a sua vida e o resto é trampa...