sexta-feira, 9 de abril de 2010

O que Einstein estará a pensar?



O chefe do Governo israelita, Benjamin Netanyahu, decidiu não participar na conferência sobre segurança nuclear da próxima semana em Washington, depois de saber que o arsenal atómico do Estado judaico vai ser tema de debate.

Face aos rumores de que o Egipto e a Turquia pretendiam instar o Estado judaico a assinar o Tratado de Não Proliferação nuclear (TNP) – o que obrigaria, pelo menos, a algumas explicações sobre a jamais reconhecida existência de armamento atómico em Israel –, Netanyahu optou por estar ausente, foi confirmado por fonte do executivo, citada pela agência noticiosa britânica Reuters.

Israel é consensualmente dada pelos peritos, e oficiosamente entendida em muitos países, como a única nação dotada de armamento nuclear no Médio Oriente, mas o país nunca o confirmou nem negou.

A participação de Netanyahu na cimeira de 12-13 de Abril, em que vão estar presentes 47 países, constituiria um marco importante: seria a primeira vez que Israel era representada por um primeiro-ministro numa cimeira internacional sobre o nuclear. No seu lugar, o país marcará presença através do primeiro-ministro adjunto Dan Meridor.

Estados Unidos e Israel vivem um período de especial fricção diplomática, depois da visita de Netanyahu à Casa Branca no mês passado, onde discutiu com o Presidente norte-americano, Barack Obama, o emperrado processo de negociações de paz israelo-palestinianas.

Os dois líderes não se entenderam e Netanyahu passou mesmo por alguns momentos de humilhação pública – por leitura da própria imprensa israelita – não se tendo sequer realizado a tradicional pose conjunta para as fotografias.

- in Público

0 Comentarios: