sábado, 28 de agosto de 2010

Tugas no avião...


tuga

Quero partilhar a minha experiência sobre um dos piores voos que já tive. Aconteceu esta quarta-feira quando regressei do Porto para Londres. Tudo começa quando chego ao aeroporto e estão mil pessoas a embarcar. Parece que toda a gente decidiu viajar no mesmo dia que eu. (nada egocêntrico)

Depois entro no avião e vejo que não tenho os lugares que queria disponíveis. Assim, sento-me mesmo na última fila lá atrás no lugar de coxia. Erro!
Porquê? Porque parece que a filosofia da Ryanair é a seguinte:

"Compras barato mas a gente faz-te a vida num inferno dentro do avião!"

Parece que as hospedeiras de voo estão treinadas para nos fazerem da vida um pesadelo. Não me queixo do atendimento. Queixo-me do barulho e queixo-me da destreza que têm quando querem passar o carrinho no meio do corredor. É que em vez de irem com o carrinho direitinho, elas tentam enfiar o carrinho em cima dos passageiros. Não importa se estás a dormir ou não, importa é vender tudo. Recebem em euros, em libras e até aceitam notas do Monopólio. Há que vender à força...

Depois duas filas à minha frente estava esta criança que forçava o choro e berrava com as goelas todas para que o avião ouvisse que estava a chorar. Berrava tão alto que acho que as pessoas em terra conseguiam ouvir. E o pai só sorria para as outras pessoas. Era abrir uma janela e mandar tudo lá para fora.

Mas o mais giro ainda é a nossa raça. Os tugas são os maiores.
Ainda antes do avião começar andar, há avisos e mais avisos de que têm que desligar o telemóvel. E não é que estavam uns gajos do PORTO, tripeiros nojentos, sentados na fila ao meu lado e quando o avião já está em aceleração na pista para levantar voo, começamos todos a ouvir um telemóvel a tocar. As hospedeiras a dizerem para desligarem, mas o tripeiro nojento atende (com calma) e começa a falar. Sem problemas, porque ninguém manda em nós catano! Somos portugueses e não seguimos as regras. Lá desligou o telemóvel quando as outras pessoas (estrangeiras) começaram a refilar com ele.

Enquanto isso, ainda o avião estava em aceleração, outros tugas, também eles do Norte, na fila da frente começam a saltar no banco em jeito de piada e a comentar que o avião vai cair e tudo a rir-se que nem alarves. Palhaços que não podem sair de casa...

Entretanto, quando já estamos no ar, é accionado o aviso de cinto de segurança por causa da turbulência, o que significa que as pessoas têm que se sentar e meter o cinto de segurança. Todos o fizeram, menos uma senhora que insistia em estar em pé a tentar tirar algo da bagagem. A hospedeira repetiu o aviso 5 vezes ao microfone, até que alguém sentado lhe berrou que a mulher tinha que se sentar. A mulher era portuguesa e tinha, presumo eu, relação familiar com os tripeiros da minha fila do lado, porque vi-a a falar com eles e a trocar cenas.

Essa senhora deficiente dos cornos tinha um pequeno miúdo com ela que insistia em estar a correr do avião de trás para a frente. Inclusive quando o avião estava a aterrar e a hospedeira (mais uma vez) teve que repetir 3 vezes à senhora para manter o puto quieto e preso na cadeira com o cinto de segurança. Tudo sem sucesso, porque nós somos uma raça com direitos especiais.

A outra cena passa-se com os outros anormais tripeiros da fila do lado e acontece quando o avião aterra e eles (únicos) tiram o cinto de segurança e começam a tirar as bagagens, até que a hospedeira berra com eles a dizer que têm que se manter sentados e com o cinto posto. Os gajos começam a refilar a dizer que a hospedeira só reclama e só reclama. Outro pormenor de ser tuga é pensar que temos sempre razão.

É neste ponto que eu gosto de puxar pelo patriotismo e dizer com os pulmões abertos que a nossa raça é mesmo fodida. Já dizia Júlio César que somos um povo ingovernável e que não quer ser governado. Somos assim os chicos-espertos da coisa. Pensamos que podemos desobedecer a regras de segurança, levantar e tirar as bagagens para poupar tempo...porque nós somos os campeões e queremos ser os primeiros a sair, porque na vida tudo é uma competição e tuga tem que ganhar SEMPRE.

Eu apenas partilho o bilhete de identidade com estes animais. Não partilho mais nada. Ver-me no mesmo saco com estes animais é um insulto, não por ser snob ou importante, porque não o sou, mas porque existe uma coisa chamada de bom-senso e é algo que não tem raça nem bandeira, mas parece ser algo que nasce naturalmente com as pessoas e que depende da educação que recebem, independentemente da língua que falam ou do país nativo...

Talvez fosse do cansaço naquele dia, mas meteu-me um nojo estar ali com aqueles anormais que só me apetecia distribuir bofetada em barda... Talvez fosse melhor permitir a presença de terroristas nos aviões para esburacar um anormal que começasse com palhaçadas.

Foi só isto.
Tenham um bom dia!

3 Comentarios:

Angel disse...

Incrível!!! Se há coisa q me tira completamente do sério é mesmos a MÁ EDUCAÇão!!! Detesto gente q se acha acima de tudo e tds e q as regras ñ se aplicam a eles!!! Q raiva!!!

JB disse...

..curiosamente, tive na minha vinda de Madrid para Lisboa, na Ibéria, uma experiência semelhante... não eram gajos do Porto mas umas 'alfaces' que me envergonharam pela enorme estupidez e demonstração de falta de civismo.

Já em Barcelona há uns dias atrás, uma gaja do Porto - notava-se pelo sotaque e parvoíce - num autocarro de turismo, daqueles abertos que circulam pela cidade, berrava em Português do Norte com a funcionária que ia dentro do autocarro que tinha de ser devolvido o dinheiro do seu bilhete pois não tinha lugar sentado no piso de cima aberto... estupidamente não leu no regulamento que isso poderia acontecer e a empresa não se responsabilizava por tal, pese embora, a incrível organização que demonstraram ao tentar informar sempre as pessoas que entravam quando os lugares estavam ocupados... os autocarros tinham um frequência de 5 minutos pelo que seria fácil arranjar o lugar desejado...

Conclusão... sinto-me um pouco como tu... as vezes apetece-me fuzilar logo ali esses animais que mau nome dão ao nosso País... contudo, posso-te dizer também que, infelizmente, ou felizmente, sei lá, essa falta de civismo não é somente inata aos Portugueses... nestes últimos meses de viagens exaustivas por vários cantos da Europa, verifiquei que isso tem mais a ver com a cultura e educação das 'classes médias baixas' de qualquer país do que propriamente com o próprio pais... É o que nos ainda vai valendo...

De certa forma compreendo - repito, de certa forma e em certas circunstâncias - o que iria na cabeça de Hitler...

johnnie walker disse...

Exacto.
Eu sinto a tua fúria! Eu sinto a tua raiva. Vamos fazer um baixo-assinado para por estes xulos fora dos abioes...