domingo, 31 de outubro de 2010

Photo L

Vida de cientista é tramada...



(clicar para aumentar)

Leia Mais…

sábado, 30 de outubro de 2010

MACHO!!!!

EU QUERO SER ASSIM UM DIA.


Leia Mais…

Time Traveler...

Se vocês gostam de histórias sobre viagens no tempo, então vão gostar desta. Há vídeo e tudo.
Aparentemente, numa cena de um filme de Charlie Chaplin, em 1928 (há mais de 80 anos atrás) uma misteriosa senhora aparece a falar ao telemóvel.

Não acreditam?
Então vejam o vídeo e fiquem atentos à cena onde aparece uma zebra e reparem na mulher (aos 24 segundos) que aparece andar atrás de um homem.



Agora vejam outra vez e digam-me se não é um bocadinho estranho duas coisinhas:

1. A mão tem quase exactamente a mesma forma como se fosse a segurar um telemóvel;
2. Ela está a falar (o que exclui um rádio ou auscultador).

Tudo vem da cabeça deste gajo que um dia viu o filme e lançou a ideia de que a mulher é uma viajante no tempo.

É óbvio que ele esqueceu-se que para falar ao telemóvel é preciso existirem satélites e antenas de comunicação, o que em 1928 não me parece que existiam. Mas o que é que a mulher está a segurar na mão eu não sei. Também não sei porque é que ela está a falar. Mas pode ser que a mulher estivesse nervosa e a coçar a testa (e a esconder a cara com vergonha da câmara). Ou talvez ela seja um alien disfarçado perdido na Terra a tentar contactar os outros aliens para o virem buscar. Coisa que aconteceu em 1948 mas que correu mal e deu origem ao desastre de Roswell.

Talvez aquela zebra não seja uma zebra, mas seja um burro pintado com riscas...

Leia Mais…

sábado, 23 de outubro de 2010

Fuck You!!!

Não consigo tirar esta música da cabeça. Fantástico!!
E o vídeo clip ainda está melhor...cheio de estilo...


Leia Mais…

Best PRANK EVER!!!!

Leia Mais…

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O gene cristão...

Leia Mais…

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Scene 22

Apresento-vos a aberração genética que o Neo cagaria caso tivesse feito amor com o Terminator...


Leia Mais…

Diferenças...

O verdadeiro homem matador!Tem tudo: uma arma que parece um canhão, matracas, bigode farfalhudo como se quer num verdadeiro homem que papa as gajas todas e duas mulas aos seus pés rendidas à testosterona do animal.






E este é o oposto...


Leia Mais…

Outro grande investimento...



Cá está meus amigos...

Uma viagem de avião de ida e volta pela módica quantia de 35 euros.
O "país" de destino?

Sicília.


Leia Mais…

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Sydney Brenner...



Hoje a seguir ao jantar no Kings College, seguiu-se uma bela palestra bastante informal com Professor Sydney Brenner. Este ilustre senhor de 83 anos é o pai do mRNA. Foi ele, juntamente com Crick (um dos "pais" do DNA) e outros que descobriram uma das peças que confirmaria o Dogma Central da Biologia Molecular: a informação é originada a partir dos ácidos núcleicos em direcção às proteínas.

Graças a esta grande descoberta, Sydney Brenner ganhou o prémio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 2002. E foi hoje que estive a meros passos dele numa palestra (ver foto acima) e no fim, como é costume, apertei a mão ao primeiro Nobel que conheci na vida. Tivemos uma conversa breve mas é mais uma daquelas experiências que não me esquecerei...



Leia Mais…

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Go back...


Leia Mais…

terça-feira, 12 de outubro de 2010

King's College



Como já devem saber (porque não me calo em relação a isto), a Universidade de Cambridge está dividida em 31 Colégios. Para a sua lista completa, cliquem aqui.

Cada um desses colégios é como se fosse uma residência para cada estudante. Aliás, cada estudante tem que receber uma oferta de um dos Colégios, senão não entra na Universidade. Eu recebi do King's College, um dos mais emblemáticos colégios de Cambridge. King's College também é o Colégio mais visitado de Cambridge porque possui uma das mais emblemáticas catedrais do Reino Unido - King's Chapel.



Um pouco como nos contos do Harry Potter, cada colégio tem as suas cores (tal como uma equipa). As cores do meu colégio são o roxo e o branco. Foi fundado em 1441 e é o 8º colégio mais antigo de Cambridge. O mais antigo é Peterhouse com mais de 726 anos de existência.

Este colégio já teve como estudantes grandes nomes internacionais que mudaram o rumo da História do planeta. Entre eles temos Alan Turing (a dar uma contribuição enorme e significativa na 2ª Guerra Mundial ao descodificar a máquina dos Nazis - Enigma) e John Maynard Keynes (o pai da MacroEconomia e cuja linha de pensamento económico está a ser adoptada novamente pelos Estados Unidos e Reino Unido).



O Dinning Hall é também um lugar com uma beleza única. O Dinning Hall será o que se aproxima de uma cantina. É onde se come. Normalmente come-se relaxadamente e casualmente. Mas por vezes temos estes Formal Dinners onde temos que vestir o fatinho e comemos uma refeição composta por 3 pratos e sobremesa. Tudo regado com vinho do bom e com uma sessão musical do coro do King's College.





Como já referi, este colégio tem como simbolo a sua catedral. Enorme e de meter respeito, King's Chapel é vísivel em toda a cidade e é lá dentro que o fascínio começa. Uma das melhores memórias que terei será do dia de inscrição (matriculation day) onde assinamos um documento de honra e onde ouvimos o Reitor do King's College a fazer um pequeno discurso de abertura exclusivo para membros dentro da capela. A foto seguinte retrata esse momento...



Um momento com uma magnitude única e verdadeiramente hollywoodesco...

Aproveito para dizer que todos os dias, quando passo por dentro do King's College, ainda fico espantado e fascinado com a beleza única. Tirei esta foto, com o telemóvel, um dia quando estava a passar pela parte detrás do colégio.



E para finalizar tinha que mostrar aqui uma foto de uma sala de estudo (exclusiva para alunos graduados como eu) em que temos como vista a capela do King's College.


Leia Mais…

O primeiro passo...



Cá está.

A empresa farmacêutica Geron Corporation inscreveu hoje o seu primeiro paciente nos novos testes clínicos para o tratamento de lesões na espinal medula através do uso de células embrionárias estaminais. A primeira fase deste estudo (Phase I) servirá apenas para testar as células estaminais usadas no tratamento clínico em termos de segurança e tolerância para o paciente. Apenas serão usados pacientes que sofreram a lesão recentemente (14 dias máximo).

O presidente da Geron, Dr. Orkahma, diz que este é um marco histórico no tratamento clínico com células estaminais.

Lesões na espinal medula levam à perda de mobilidade motora, perda de sensibilidade e perda de controlo intestinal e da bexiga. Este tratamento estaminal pode vir a ser a resposta para os vários milhares de pessoas que estão presas a uma cadeira de rodas ou a uma cama para o resto das suas vidas.

As células estaminais prometem muito, mas ainda penso que a cura/tratamento definitivo para lesões na coluna vertebral passará por um cocktail de diferentes tratamentos e também muito pela reabilitação...

A esperança é sempre a última coisa a desaparecer....

...e a Humanidade já esteve mais longe...

Leia Mais…

Scene 21

O novo filme de Clint Eastwood...

Leia Mais…

Photo XLIX


Leia Mais…

Darwin's room...



Charles Darwin, esse grande génio do pensamento e pai da Teoria da Evolução, andou a estudar aqui em Cambridge. O seu maior feito foi ter dado à Humanidade a resposta para a pergunta:

de onde vimos?

Pela primeira vez temos uma linha de pensamento e de raciocínio que é capaz de nos demonstrar que afinal vimos de todo o lado e de lado nenhum. Não evoluímos do macaco, mas evoluímos do nosso ancestral mais antigo de todos que é a própria Natureza. Pela primeira vez não estamos sujeitos a explicações sobrenaturais do tipo "ao terceiro dia Deus criou o Homem". A explicação de Darwin é um raciocínio lógico-dedutivo construído de uma maneira tão poética e bela que nos esquecemos que ainda é uma teoria. Temos que deixar a arrogância fora de casa e aceitar que a qualquer dia uma outra explicação possa servir melhor o modelo de evolução ou possa ser uma resposta à pergunta acima enunciada.

Mas como comecei por dizer, Darwin andou a estudar aqui na Universidade de Cambridge, num dos seus colégios - Christ's College. Foi aí que eu fui para ver o seu quarto. Estas são as suas imagens:
(clicar para ampliar)








Vivia-se muito bem naquela altura. Aliás, a Universidade é só para os mais ricos e privilegiados e não era um sistema aberto para todos como é hoje em dia.

Leia Mais…

He's fucked...


Leia Mais…

English nights...



Os ingleses têm muito que aprender em relação ao álcool. O que se tornou típico neste país em beber em bordoada como se não houvesse amanhã é a regra a seguir. Os típicos ingleses serrafeiros e wayne rooney look-a-likes é uma coisa de meter nojo.

Quando chega o fim-de-semana, parece que a cidade se transforma num circo após as 22h. Animais na rua em forma de humanóides com um cilindro de cerveja nas mãos aos berros para tudo o que o cérebro (ou resíduo cerebral) reconhece como bizarro e engraçado de berrar. São aos magotes os labregos na rua que estão aprisionados semanalmente ao seu ritmo laboral e que quando chega o fim-de-semana se vêem livres para libertarem as suas frustrações em forma de destruição social e dimorfismo sexual.

Este sábado, cometi o erro de sair à noite, mas cedo a saída tornou-se numa saída de campo para estudar os comportamentos sociais de um povo mais educado (pelo menos, em comparação com Portugal). Este povo divide-se em duas partes:

1. Masculino
2. Feminino

O povo masculino tem sempre 3 características em comum:

1. Tatuagens > Se o indivíduo não apresentar uma marca parola no braço é porque a tem escondida no seu corpo cheio de seborreia e suor acídico.
2. Cabelo curtinho e oleoso > Já assumi que a oleosidade vem da chuva e da constante humidade nesta terra.
3. O sotaque > Todos eles têm um sotaque labrego e acentuado em que se recorre sempre ao menor esforço possível para transmitir um berro. Exemplos: Shut up torna-se em Shu-up e isn't torna-se em innit.

As mulheres também partilham das mesmas características com excepção para o cabelo. São tipicamente gordas e pálidas e partilham também o dom de berrar sons extremamente agudos, capazes de rebentar com os tímpanos de qualquer um. O vestuário para as meninas segue a regra: menos parece ser o que as putas recomendam. Então lá as vemos andar com um vestido muito justo amarelo florescente curtíssimo a tentar aguentar as banhas da vaca que se passeia com saltos altos vermelhos (cheio de tropeços devido ao alcoolismo e peso mórbido). As unhas estão pintadas de roxo e têm sempre uma carteira prateada metalizada.

Então, a visita de estudo de sábado a noite terminou com um dos tais babuínos ingleses a fazer uma demonstração do seu civismo no meio de toda a gente. Aparentemente, este macaco deficiente decidiu começar um alegre jogo de dar murros nas pessoas à sua volta. Resultado?

Este:



A diferença entre o nosso povo (e devo incluir o povo espanhol e italiano) é que a gente não bebe até ficarmos violentos. Podemos beber até vomitar (caso dos estudantes), mas beber para começar a andar à porrada com gente é raro. Estes ingleses são frustrados e vivem em constante depressão num país em que o Sol não sorri. Num país onde o frio e chuva são o dia a dia, aprisionando estes pobres mentecaptos num trabalho sem luz natural. Nós, on the other hand, somos um povo cheio de luxos. Onde podemos estender aquele intervalo das 15h30 um pouco mais para tomarmos café na esplanada ao Sol. Onde podemos ir à praia até finais de Setembro. Onde podemos sair à noite mesmo no Inverno quando as temperaturas são toleráveis. Onde podemos conviver com amigos sem termos que recorrer ao álcool em excesso porque já somos um povo alegre. É disso que tenho saudades e é disso que me orgulho em ser latino. O resto, é só a gente aprender a ser feliz e trabalhar com produtividade.

Cada dia que passa me apercebo que a diferença entre o topo da Europa com os outros "3º mundo" é relativa. Ainda há muito que aprender de ambos os lados...

Leia Mais…

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Nobel 2010...


E se um dia fosse para mim?

O Nobel da Medicina vai para o pai da fertilização in vitro.“A sua descoberta permitiu tratar a infertilidade, uma condição médica que afecta uma larga proporção da humanidade, incluindo mais de dez por cento dos casais de todo o mundo”, explicou a academia sueca, em comunicado.

Robert G. Edwards é um Professor Emeritus aqui na Universidade de Cambridge.

Leia Mais…